Alternativas ao tradicional castigo

Veja opções para educar seus filhos sem ter que recorrer à medidas que enfatizam o erro

Por Andressa Dias
alternativas ao tradicional castigo Alternativas ao tradicional castigo

Foto: Thinkstock

Tomar decisões quando se trata da educação dos filhos não é uma tarefa muito simples ou fácil. Tudo o que os pais fazem e a maneira que educam os filhos podem ter uma certa influência na vida futura da criança.

Sendo assim, mães e pais em geral visam buscar a melhor maneira de lidar com cada situação adversa que passam com o filho, a fim de educa-lo para ser um adulto consciente e de caráter.

Quando o filho acaba fazendo algo que não deve, uma das coisas que passa na cabeça dos pais é: castiga-lo. Um exemplo do que pode ser considerado um castigo é deixar o filho uma semana sem visitar o amiguinho para brincar ou ainda ficar um mês sem vídeo game.

Há pais e mães que não abrem mão do tradicional castigo e que acreditam que essa é a melhor forma de educar. Entretanto, existem alternativas para ensiná-lo a agir da forma considerada correta e que não significam necessariamente um castigo. Essas opções incluem métodos mais positivos, que apreciam as boas atitudes e que não enfatizam só os erros que a criança comete.

Você, mãe que deseja optar por esses métodos alternativos, confira a seguir do que eles se tratam.

Evite o problema antecipadamente. Essa tática se refere à prevenir certas atitudes que a criança pode ter. Por exemplo, se você sabe que o seu filho pede diversos doces quando vai ao mercado, combine com ele antecipadamente um limite de doces que ele poderá escolher, caso ele tenha que ir com você ao mercado.

Outra sugestão é preparar os filhos antes de ir a locais públicos, como restaurantes e shoppings. Mas, como fazer isso? Converse com ele antes de sair de casa e combine com ele o que ele pode ou não fazer no local. Caso ele faça tudo conforme o que vocês combinaram, aprecie a atitude, dando os parabéns para ele por ter se comportado.

Estabelecer rotinas também auxilia no dia a dia da família. Por exemplo, incentive-o a sempre guardar seus próprios brinquedos. Como? Faça um cartaz onde ele pode desenhar pequenos sorvetes, e a cada vez que ele organizar tudo, ele poderá desenhar um. A cada 10 ou 20 sorvetes desenhados, ele ganha um delicioso sorvete.

Distraia-o para tirar o foco do que você quer que ele faça. Forçar a criança a fazer o que você quer é o caminho para a birra. Se você quer evitar que ele faça isso, distraia-o com outra coisa e ele fará o que deve. Por exemplo, uma boa maneira de fazê-lo comer verduras e legumes é criando pratos divertidos com o seu filho, em vez de obriga-lo a comer.

Fale o que ele pode ou não fazer. E explique o porquê de forma sucinta. Crianças não vão prestar atenção em longas e complexas frases, mas as regras, quando explicadas de forma direta e quando possível, de maneira divertida, elas cumprem bem o seu papel. Por exemplo, em vez de castigar um filho por ter batido no outro, diga que “irmãos são para brincar, não para bater”. Desta forma, a informação importante chamará mais atenção.

Aprecie o que ele fizer como manda a regra. Em vez de enaltecer os erros que os filhos cometem, prefira valorizá-lo pelas vezes que ele segue a regra e cumpre o que vocês combinam. Exaltar o lado positivo é uma alternativa melhor do que castiga-lo pelo que ele fez de errado, segundo especialistas.

Use sua criatividade de mãe na educação do seu filho. Com amor, respeito e muita conversa é possível extinguir o tradicional castigo e optar por meios mais positivos de lidar com os problemas comuns que toda família tem. Lembre-se: quando se trata de você e seu filho, siga seu instinto de mãe e você saberá o que é melhor para ele.