5 fatos surpreendentes sobre o orgasmo

Curiosidades relacionadas ao orgasmo feminino que vão te dar ainda mais motivos para investir no prazer sexual

Por Andressa Dias
Atualizado em 07/06/2013 14:40

fatos surpreendentes sobre o orgasmo 5 fatos surpreendentes sobre o orgasmo

Existem alguns fatos interessantes a respeito do orgasmo feminino que ainda se mantém desconhecidos pela maioria das pessoas. Em vista disso, listamos algumas dessas curiosidades sobre o orgasmo da mulher, confira.

1 – O orgasmo melhora com a idade

Ao passar dos anos, a mulher fica mais experiente e com isso a qualidade dos orgasmos também melhora. O conhecimento do próprio corpo tem um papel fundamental no orgasmo, afinal saber encontrar o ponto G é crucial para conseguir um orgasmo e ajudar o homem a fazer a mulher ter um.

Por isso, apesar da libido poder diminuir um pouco com o tempo, em contrapartida, a mulher se conhece melhor e sabe se dar mais prazer.

2 – A mulher atinge o orgasmo mais rápido com a masturbação

Uma pesquisa recente demonstrou que as mulheres demora quatro minutos em média para atingir o orgasmo por meio da masturbação, enquanto demoram entre dez e vinte minutos para atingi-lo por meio da penetração.

A pesquisa também revelou que 75% das mulheres admitem precisar de estímulos no clitóris para ter um orgasmo, pois não conseguem ter orgasmos apenas por meio da penetração.

3 – Usar camisinha não afeta a qualidade dos orgasmos

De acordo com um estudo da Universidade de Indiana, nos EUA, a qualidade dos orgasmos femininos não tem nenhuma relação com o uso ou não da camisinha. Ou seja, é possível ter orgasmos mesmo quando a penetração ocorre com uso de camisinha, o que elimina essa desculpa para não se proteger.

A camisinha, pelo contrário do que se pensa, ajuda os casais a manter a penetração por mais tempo, afinal o homem não precisa se preocupar em interromper o coito rapidamente para não ejacular dentro da mulher. Desta forma, a mulher pode até ter mais chances de ter um orgasmo, pois é estimulada por mais tempo.

4 – A qualidade do orgasmo pode ser influenciada pela autoestima da mulher

Se a mulher tem vergonha das suas partes intimas, isso pode afetar diretamente a qualidade e a frequência dos orgasmos. Cada vagina tem uma aparência diferente e mulheres que consideram sua vagina “feia”, podem sofrer por causa disso.

Se a mulher não tem nenhum problema de saúde genital e nenhuma deformação, ela não tem porque achar que sua vagina é menos atraente que a de outra mulher. Se ela está servindo bem para o seu prazer e você não sente dores, não há porque se torturar com pensamentos negativos.

5 – Orgasmos podem atenuar dores

A ocitonica, um hormônio considerado hormônio do amor, tem seus níveis elevados em até 40% após o orgasmo. Como a ocitocina promove o bem-estar, sensação de relaxamento e até a união entre as pessoas, não há dúvidas de que seja um forte motivo para não economizar no prazer. Esse hormônio, durante o orgasmo, ajuda a aliviar tensões e dores e há rumores de que até mesmo pensar sobre sexo pode ajudar nesse sentido.

Além da ocitocina, a liberação de endorfinas durante a atividade sexual também colabora com a diminuição de dores. Isto é porque a endorfina e também a ocitocina são hormônios responsáveis pelo controle de dor.

Portanto, se for pensar em dar aquela velha desculpa da dor de cabeça para fugir do sexo com o seu parceiro, pense bem antes, pois ele pode estar ciente de que o orgasmo ajuda a aliviar as dores.